Reflexão

Que tipo de egrégora formamos nos ambientes do qual fazemos parte, diretamente? Já pensaram sobre isso?

Todo ambiente guarda em seu interior as energias psíquicas exteriorizadas do campo de radiação perispiritual dos seres que respiram à sua atmosfera. Nossos pensamentos tomam formas vivas, e guiados pela Lei da afinidade são atraídos por idéias semelhantes. Assim que, àquele que julga, constantemente, seus colegas de trabalho, familiares, ou qualquer pessoa que faça parte de seu convívio diário, embora não o faça em palavras, já que o verniz social em muitas circunstâncias não o permite, produz, invariavelmente, formas destrutivas contra aquele que lhe é alvo. Pensamentos de ódio, vingança, mágoas acumuladas formam imagens vivas que, se forem produzidas com grande frequência, passam a fazer parte da arquitetura do ambiente. Vê-se, então, lares nos quais as paredes mostram-se impregnadas de imagens monstruosas, desejos incontidos, animais peçonhentos…, o piso torna-se verdadeiro lamaçal de miasmas tóxicos e o ar saturado de substâncias nocivas. Já entraram em lugares onde o ar parece “irrespirável”? Esses sentimentos se instalam no ar e deixam um odor característico do veneno destilado pela mente enfermiça.  O pensamento materialista torna o ambiente frio, gelado, sem vida, pela ausência do amor que aconchega, acalma, tranquiliza…Idéias  de culpa, autodestrutivas , auto punitivas são, certamente, geradoras de energias de destruição que, volitando pela atmosfera que lhe é peculiar, ao encontrarem com um irmão mergulhado em tristeza , desânimo e descrença são capazes de potencializar esses sentimentos levando-o , não raramente, à loucura do suicídio. Preocupações excessivas e desnecessárias as quais fortalecem-se pela ausência de fé passam a ser realidade na dimensão espiritual.

Quanto maior a quantidade de fluidos etéricos ( ectoplasma) na tessitura espiritual do produtor de tais pensamentos, mais força terão suas idéias, mais tempo de vida terão e com vigor se instalarão no local nascedouro.

E nossas palavras?

São produtos de nossos anseios. Se não há pureza de sentimentos as palavras são vazias e sem nenhum poder de transformação. Certamente, são magnetizadas pela energia do interlocutor. Por isso, elas, verdadeiramente, ferem ao saírem como dardos venenosos da boca habituada a agressão verbal. A língua sempre pronta à maledicência exala de suas palavras a podridão de seus desejos, da inveja velada, do despeito, do orgulho ferido. Palavras que lançam discórdia, desunião, desamor, esculpem formas violentas que certamente nos deixariam apavorados.

Reflitamos, enfim,o  motivo de nosso planeta estar tão envolvido numa psicosfera que nutre atos tão selvagens e deliquentes! Cada pensamento antifraterno que não encontra sintonia com a obra Divina sustentada pela inteligência Suprema, será fortalecido por outro igual , e influenciará  tendências  homicidas, suicidas, paixões violentas, atos bárbaros, crimes hediondos… Assim passamos  a nos influenciar mutuamente, independente da distância que nos separa uns dos outros.

Ao nos depararmos  com um noticiário triste recheado de  fatos infelizes , histórias degradantes que nos abalam emocionalmente, deixando-nos marcas de medo, indignação e tristeza, olhemos para dentro de nós e, reflitamos sobre a parcela de responsabilidade “ indireta”que nos cabe. Uma sociedade amorosa , fraterna em que seus integrantes vigiam seu modo de pensar , falar , sentir e agir não pode produzir atos insanos ou alimentar idéias grotescas. Importante, sim, o cultivo do amor em nossa atmosfera individual para que produzamos uma egrégora de paz, fruto de seres que vivem em harmonia com o Criador Universal. Se almejas à paz universal, procure sempre pensar nos outros como gostaria que pensassem sobre você. Assim, tua consciência estará em sintonia com as leis Divinas e a paz estará contigo. Cultivemos o amor em nossa tessitura íntima plasmando em nossa atmosfera particular os dizeres de Nosso Mestre Nazareno “ amai ao próximo, como a ti mesmo”.A aura produzida nessas condições irradiará vibrações Crísticas que formarão à psicosfera da “nova Era”, fruto  de seres que vivem em harmonia com o Supremo AMOR . Agentes invisíveis, patogênicos e indutores de inúmeras doenças, típicas do planeta de expiações, terão frustradas suas tentativas de materialização e disseminação. As grandes epidemias que assolam a humanidade são produtos de microorganismos   que se alimentam dos fluidos deletérios  de viciações mentais emanados de seres em total desequilíbrio. Refiro-me aqui a todos nós que nos achamos “normais” mas que ainda abrigamos interiormente uma série de enfermidades psíquicas.  Normalidade do consumismo, da gula, do julgamento, crítica, luxúria, da ambição desmedida….( numa sociedade materialista tudo isso é normal…) .

Uma atmosfera amorosa é fruto de mentes amorosas. Sentimentos antifraternos não encontraram abrigo neste clima de luz permanente que   reflete a misericórdia Divina em sua pureza completa , pois não encontra  obstáculos à sua ação benfeitora, que por merecimento, é recebida integralmente pela humanidade regenerada.

Reflitam sobre isso com carinho, abraços a todos Fiquem com DEUS!

ACVB

Deixe uma resposta

Busca Rápida