REFORMA ÍNTIMA

“E ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças.”
Isaías

Em sua breve passagem sobre a Terra, o Mestre Jesus nos mostrou sua grande disposição em curar-nos. Em contrapartida, demonstra-nos nossa participação ativa no desenvolvimento da saúde integral. Com seu magnetismo amoroso e balsamizante, o Cristo encarnado, aliviou inúmeros enfermos os quais não havia mais esperanças de cura. A restauração da saúde porém, ocorreu entre aqueles em que a fé fora evidente e, após o processamento da cura, o Mestre do Amor sempre incitou a reforma interna como meio de total libertação da doença. O planeta Terra ainda abriga intensos sofrimentos, muitos dos quais encontram-se relacionados à enfermidades incuráveis sob o ponto de vista da medicina atual. “Todos nós adoecemos, porém raros são aqueles que cogitam a cura real.” (Emmanuel, Fonte Viva).
                                                                   
Tratamentos médicos adequados, avançados métodos diagnósticos e intenso esclarecimento da população sobre prevenção de doenças, faz-se de suma importância. Entretanto, qual seria a origem real de tantos padecimentos físicos entre nós existentes? Serão as nossas doenças a materialização de processos psíquicos em desequilíbrio?  Sabe-se que certas moléstias são produtos de graves “infecções morais” existentes em nossa consciência (Ramatis). O comprimido ajuda, a injeção melhora, entretanto não podemos nos esquecer de que os verdadeiros males procedem do coração.” (Emmanuel, Fonte Viva).

Diariamente, envenenamos nossas mentes com idéias pessimistas, pensamentos derrotistas e aspirações indevidas… Então, como pode o tratamento médico ser realmente eficaz se dentro de nos só alimentamos tristezas, mágoas, culpas e revoltas?

A saúde integral somente pode ser adquirida quando abrigamos em nossos corações sentimentos nobres, criamos em nossas mentes idéias construtivas e utilizamos nossa mãos para semear o bem através de trabalhos edificantes.

Enxergando sempre as imperfeições alheias deturpamos nossa visão. No exercício da maledicência, deixamos as portas abertas aos germes oportunistas geradores de inúmeras doenças físicas. Submersos na culpa, degradamos nossos órgãos internos. Entregues ao ódio, a cólera e a mágoa, aniquilamos sentimentos nobres e envenenamos nossos corações .

Sigamos então os ensinamentos do cordeiro de Deus, o qual nos incita à moralização, a oração de fé e o amor incondicional como condição primordial para o desenvolvimento de nossa saúde.

Deixe uma resposta

Busca Rápida